SEJAM BEM VINDOS!!

Fiz esse blog com incentivo de um amigo meu das letras. A princípio era mais uma brincadeira de escrever, mas aos poucos fui tomando gosto pela coisa, e hoje não consigo passar um dia sem "por os pés" aqui. Agradeço sinceramente os caros leitores que "pisarem" por aqui, também. Fiquem à vontade para comentar, sugerir, descer o cacete...rs, ou mesmo se tornar um "seguidor" desse democrático ou rabugento espaço (como queiram).

COMPARTILHANDO BLOGS

Olha quem acompanha esse blog:

sábado, 12 de dezembro de 2009

ACORRENTADO



Fui como uma folha ao vento

Levado pelo destino

Esbarrando a cara nos muros

De pedra na consciência

Resignado às mil faces da vida

Fingindo de mim mesmo e dos outros

Introspectivo e às vezes atrevido

Mas desenho as nuances do ser

Ou rabisco o ser selvagem

Impregnado de minha saudade

Ou então fujo por uma janela

Entreaberta da garganta e grito

Grito o silêncio dos loucos

Não era pra ser assim

Mas como sair dela sem ser notado?

Jamais quis ter notoriedade

Logo dela que é meu pudor

(Então me despe se fores capaz

Diz-me o momento certo de agir)

Nunca sei suas verdades

Se fingindo arranca-me os fantasmas

Abrem-se sulcos e lacunas

À noite visita o meu íntimo

Promete ver minhas virtudes

Mas continuo acorrentado em meu ser

De pedra na consciência

Espero à madrugada, o dia

O dia vem, mas a luz não é dela

Continuo esperando e rabiscando

E assim cada dia ela tira

um pedaço do meu coração.

Um comentário:

Alisson da Hora disse...

Poema perfeito para esse meu domingo aziago e de caras esbarradas nos mais variados muros.