SEJAM BEM VINDOS!!

Fiz esse blog com incentivo de um amigo meu das letras. A princípio era mais uma brincadeira de escrever, mas aos poucos fui tomando gosto pela coisa, e hoje não consigo passar um dia sem "por os pés" aqui. Agradeço sinceramente os caros leitores que "pisarem" por aqui, também. Fiquem à vontade para comentar, sugerir, descer o cacete...rs, ou mesmo se tornar um "seguidor" desse democrático ou rabugento espaço (como queiram).

COMPARTILHANDO BLOGS

Olha quem acompanha esse blog:

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

CONTO O INÍCIO PELO FIM



Era para ser um CONTO "normal" , com sequência linear e tudo mais, como manda o figurino, digo, os gramáticos. Mas de propósito fugiu à regra, e olha no que deu:

deu por encerrada a sua história Negociou e em seguida virou à esquina e com um estampido ensurdecedor Saiu para vender tudo que tinha num bazar da igreja Mas pensara mil vezes antes de fazer isso Sentia tanta vergonha que chegava a doer Estava tão cético tão incrédulo de si que nem mostrava mais a cara Pensava nisso o tempo todo e jogava o corpo contra a parede acrílica porque sentia nojo da própria imagem E só permitia a entrada para o sexo Ele quem destruiu a casa onde residia a Glória Porque o Amor reinou e depois fincou estacas afiadas em seu peito Tornou-se um trapo de pele nua A terra onde plantara flores agora colhe mediocridade Cansou daquela vidinha inútil

4 comentários:

Adilson Jardim disse...

Como sempre, uma relação entre as ideias e as palavras de uma concentração e um encantamento mântrico perfeito. Me explica apenas como é essa coisa de "início pelo fim"?

PEDEPOESIA disse...

Pois é, Adilson, mais uma farra com a língua. Nesse conto brinquei com a estrutura e a pontuação: lê-se o texto começando pelo final, e descobre-se onde cada oração começa a partir das letras maiúsculas (exceto os nomes próprios). Daí é que percebe-se linearidade, coerência e sequência lógica dos fatos. Desafiando os limites da escrita com uma pitada de experimentalismo saramaguiano. rsrs...

Adilson Jardim disse...

Desculpa, continuo sem entender.

Malu disse...

E como é bom podermos bricar com as palavras.às vezes ninguem me entende também.
fiz uma postagem a respeito disso, mas não quero que entendam... quero que sintam as telas que pinto em palavras.
Abraços