SEJAM BEM VINDOS!!

Fiz esse blog com incentivo de um amigo meu das letras. A princípio era mais uma brincadeira de escrever, mas aos poucos fui tomando gosto pela coisa, e hoje não consigo passar um dia sem "por os pés" aqui. Agradeço sinceramente os caros leitores que "pisarem" por aqui, também. Fiquem à vontade para comentar, sugerir, descer o cacete...rs, ou mesmo se tornar um "seguidor" desse democrático ou rabugento espaço (como queiram).

COMPARTILHANDO BLOGS

Olha quem acompanha esse blog:

terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Resista se puder...


">SOBRE LINHAS

Foi numa noite dessas
Cruzou comigo um olhar
Mas fingiu não me ver
Esnobou-me .
Eu quis tocá-lo,
Roçar meus dedos sobre sua pele
Mas resisti.

Ele atrevido pegou-me as mãos
Arrastou-me aos seus pés
Fez-me ajoelhar
Gozou de minha pureza
E hoje sou sua escrava
Sujeita aos seus caprichos
Quando quer me usar
Às vezes avisa
Outras deixa-me de sobreaviso.

Essa noite surpreendeu-me
Chegou sem pedir licença
Invadiu meu espaço
Rolou sobre os lençóis
Um cheiro branco de pecado
Insinuou uns passos
Equilibrista sobre as linhas
Evadiu-se.
Sem pudores deixou-me essas linhas.
Ah! Se eu pudesse domesticar o meu poema. (SELMA, 2008)

2 comentários:

OÓCIO disse...

Muito bacana a chave de ouro do poema... Essa poetisa ainda arranca uma ou outra catarse humorada da gente... só falta fazer chover... parabéns.

CÉU e MAR disse...

O fazer poético é um mar de purificação, mas só os anômalos mergulham, em busca de sua própria dicção.


PS: se chover estraga, kkk...