SEJAM BEM VINDOS!!

Fiz esse blog com incentivo de um amigo meu das letras. A princípio era mais uma brincadeira de escrever, mas aos poucos fui tomando gosto pela coisa, e hoje não consigo passar um dia sem "por os pés" aqui. Agradeço sinceramente os caros leitores que "pisarem" por aqui, também. Fiquem à vontade para comentar, sugerir, descer o cacete...rs, ou mesmo se tornar um "seguidor" desse democrático ou rabugento espaço (como queiram).

COMPARTILHANDO BLOGS

Olha quem acompanha esse blog:

quarta-feira, 28 de janeiro de 2009

Brincadeirinha de La Ursa


Visitando, recentemente, o blog de um amigo meu, li uma postagem http://oocio.blogspot.com/2009/01/la-ursa-ou-de-como-sabe-se-morador-de.html#links que não só chamou minha atenção (como sempre tudo que ele escreve é inteligente, interessante, pertinente ou engraçado) como motivou-me a escrever essas linhas. Pois bem, é fato, e isso ninguém pode negar, que o Carnaval em Pernambuco é o mais animado do mundo (embora, a senhora, que ora vos escreve, prefere aproveitar esse feriadão na praia), desde o mega desfile do Galo da Madrugada, dos bonecos gigantes de Olinda, dos bailes de salão, das simples agremiações e blocos de rua que se estendem da capital ao interior, até os “bate-latas", grupo de garotos que se autodenominam La Ursa.


Todo mundo sabe ( ou pelo menos deveria saber) que o Carnaval tem suas raízes na Antiguidade: http://200.150.145.77/bin/paginas/686.php passando pela Grécia, Roma e Veneza, e difundindo-se aqui em terras tupiniquins, através dos portugueses. E de forma peculiar e acultural em Pernambuco, garantiu um espaço pra lá de democrático, pelo menos a La Ursa dos moleques (é aí que eu quero chegar). Essa manifestação carnavalesca, dizem ser de origem italiana desde o início do século XX e disseminada pelos povos ciganos, que saem as ruas cantando e dançando com o seu animal o Urso e seu domador, recolhendo generosas contribuições. Aqui no Nordeste, especificamente em Pernambuco, onde tudo se acomoda à cultura local, a “agremiação” ganhou até marchinha: “A La Ursa quer dinheiro/ quem não dá é pirangueiro...” E os garotos fazem a festa atrás do mascarado vestido de estopa e trapos, batendo latas (para eles é um instrumento de percussão) de porta em porta, recolhendo uns míseros trocados para comprar balas, digo, confeitos (pra não assustar). Até aí, tudo bem, mas o que não entra na minha cachola é ver essa brincadeira se tornando instrumento de exploração infantil.


Pasmem os leitores dessa humilde postagem, diante do que relatarei a seguir. Estive visitando a pouco mais de duas semanas, algumas praias do estado da Paraíba e Rio Grande do Norte, quando me deparei mais precisamente, nas avenidas movimentadas da praia de Tambaú, com uma cena no mínimo familiar (até certo ponto): ao pararmos no semáforo, um grupo de cinco guris, sentados no meio-fio, batiam em latas vazias de leite, latas de chocolate em pó, caixas de sorvete etc., produzindo um barulho infernal, enquanto um outro à “la ursa”, batia à porta de carro em carro pedindo uma contribuição pela exibição da “arte popular carnavalesca”(imagine se essa moda pega por aqui?). Tão popular que se tornou normal, crianças nos semáforos, exibindo a sua “arte“de pedinte, aliciadas cada vez mais cedo, e muitas vezes, pelos próprios pais. Aliás, como o povo antecipa cada vez mais as comemorações carnavalescas (o réveillon está sendo comemorado em ritmo de frevo), não se espantem, caros leitores, se durante o próximo Natal, num presépio desses por aí, encontrar um menino jesus caracterizado de La Ursa, estendendo-lhes a mão.


E em nome dessa cultura, vão empurrando de barriga vazia e batendo em latas vazias, amassando o seu destino, o seu futuro incerto...

2 comentários:

OÓCIO disse...

Obrigado pela homenagem, poetisa, e gostei também do bairrismo pernambucano (somos massas, mesmo...), além da pesquisa histórica do tema.

A coisa da la ursa cada vez mais precoce, não sei se chegará ao Natal, mas os pastoris já são profanos o suficiente para precisarem de mais essa ciganada... rsrs

CÉU e MAR disse...

Eu também nunca entendi o porquê daquelas "meninas" (que se dizem "pastoras"), dançando e "cantando" em trajes mínimos mostrando a bunda, serem elementos alegóricos do Natal...

PS: se alguém souber, aí, me explique. Sou toda ouvidos...rs