SEJAM BEM VINDOS!!

Fiz esse blog com incentivo de um amigo meu das letras. A princípio era mais uma brincadeira de escrever, mas aos poucos fui tomando gosto pela coisa, e hoje não consigo passar um dia sem "por os pés" aqui. Agradeço sinceramente os caros leitores que "pisarem" por aqui, também. Fiquem à vontade para comentar, sugerir, descer o cacete...rs, ou mesmo se tornar um "seguidor" desse democrático ou rabugento espaço (como queiram).

COMPARTILHANDO BLOGS

Olha quem acompanha esse blog:

quinta-feira, 1 de julho de 2010

MINICONTO SIBILANTE


Setva sempre soubera ser a saloia serena, sensível, sorriso sincero, sagrado ser. Sua sina a sibila sentenciara: seria serva e solitária. Sorte significava silêncio, sombras, surtos, sinais. Somente o sábio Sygnifficadus a salvaria. Sem solução saiu sozinha. Mas a sibila a seguira em sua sentença. O sereno e a seiva das sempre-vivas suavizavam o sofrimento. Seguiu...
Num sítio simples situado à sombra de uma sephirat, um santuário. O ser superior semelhante a Sófocles sustentava a Sabedoria. Setva silenciou. Súbito sentimento de segurança a surpreendeu. E sentada à sesta sonhou...
Sonhara sensível, mas segura e solta, seguindo a si, a sabedoria.

2 comentários:

Adilson Jardim disse...

Que arretado, Selma!!! Um conto sensibilíssimo produzido com a restrição linguística da aliteração em "s", mostrando a Sibila dominando o ambiente. Vou levar esse teu texto para inspirar meu grupo de pesquisas. Parabéns.
Adilson

PEDEPOESIA disse...

Grande Mestre!! Bigaduuuuuu... Tuas análises incentivam-me à produção, tu sabe...